publicidade

Uma palavra de grande importância

Escrito por Sérgio Sette Câmara
Piloto da GP2 Series pela equipe MP Motorsport

Amigos do Kart Motor, fiquei muito honrado e feliz com o convite de poder escrever uma coluna para um site que tanto ajudou e ainda contribuí na divulgação da minha carreira.

Nesse nosso primeiro contato eu fiquei em dúvida sobre como poderia contribuir para os meninos que, como eu, começam bem novos no kart. Cheguei à conclusão, então, que eu queria lembrar um pouquinho de uma palavra que, após 10 anos competindo, eu vejo que tem ficado cada vez mais longe dos kartódromos e, principalmente, dos boxes das equipes – INTERESSE.

Falo isso de forma muito tranquila porque, comigo, foi desse mesmo jeito. Quando a gente chega na pista a primeira coisa que quer é sentar no kart e acelerar. A vontade é tão grande que se pudesse saia dos boxes sem nem colocar o macacão e o capacete...

Porém, depois que você começa a participar de competições, vai subindo de categorias e compete em Campeonatos cada vez mais importantes, a gente precisa começar a pensar que para se ter sucesso nesse esporte precisa de um algo mais.

Nesse dia você começa, então, a olhar para os boxes ao lado, os pilotos graduados, aqueles que sempre estão entre os primeiros nas corridas. Nesse momento, olhando o que eles fazem, é que a gente consegue entender uma grande parte do sucesso deles, o interesse.

Um piloto de verdade deve ser, acima de tudo, um cara interessado naquilo que ele quer fazer. Ele tem que chegar no box e, antes mesmo de se trocar, bater um papo com o chefe de equipe, saber direitinho o que tem de atividades naquele dia, saber dos horários de cada coisa e como será feito o trabalho de acerto do equipamento.

Feito isso, na minha opinião, é muito importante que o piloto cole no seu mecânico e, junto com ele, vá olhando cada detalhe do kart. Veja se as rodas estão bem apertadas, dê uma puxadinha nos cabos de acelerador e freio, mexa no volante, veja se o Alfano tem bateria, e sobretudo, pergunte sempre. Pergunte que libra vocês vão usar, quantas voltas tem nas agulhas do carburador e o que você precisará fazer, lá na pista, se o kart não estiver bom. Não esqueça também de conferir o seu equipamento pessoal antes mesmo de sair de casa. Afinal, já pensou que encrenca perder um dia de kart porque esqueceu uma sapatilha em casa???

Depois de cada atividade, quando voltar para os boxes. Tome uma água, deixa a adrenalina baixar um pouquinho e, daí por diante, chame o seu mecânico e fale tudo com ele. Nessa curva está assim, na outra tá legal, aqui na entrada da reta tá uma porcaria... Não arranca! Enfim, fale tudo! E, logicamente, preste atenção no que a equipe irá fazer para buscar uma solução para as coisas que você falou.

Você pode achar que tudo isso que estou falando é um grande bla-bla-bla, mas, tenha certeza, você vai precisar muito dessa rotina em todos os passos da sua carreira. Lembre-se: O seu interesse é a sua forma de aprender mais a cada dia e, principalmente, valorizar o trabalho das pessoas que estão se dedicando para colocar o seu kart na pista.

Grande abraço e até a próxima coluna!