publicidade

Como foi o Brasileiro!!!

Escrito por Vinícius Escarlate
Equipe V11 Kart

Você viu?

Como foi o Brasileiro!

Uma coisa é certa: é muito bom ver os grids cheios, o que traz sempre a emoção de excelentes disputas, e isso não faltou nessa edição do Campeonato Brasileiro, a maior de todas, com 522 pilotos!

Na pista vimos muitas disputas, equilíbrio e corridas emocionantes, mas muita pancadaria também. Como em toda final de Brasileiro, é “faca na caveira”, e na maioria das categorias o campeão foi decidido na última volta, quando não na última curva.

De maneira geral, um grande evento. Categorias cheias, mas com espaço para as equipes trabalharem, horários sendo respeitados, um excelente kartódromo, e para completar, a transmissão ao vivo na SporTV, uma conquista excepcional para o kartismo brasileiro.

Mas sempre tem como melhorar. Vou listar alguns pontos, que ao meu ver, podem trazer maior organização, e até mais pilotos inscritos:

1 - Limitação de inscritos nas categorias

Na primeira divulgação de programação, as categorias F4 de motores sorteados andariam todas pela manhã, o que minimiza a capacidade de uso de motores. Passando uma delas para parte da tarde, a capacidade aumentaria. Na programação definitiva, uma das categorias, a F4 Graduados, teve seu horário alterado para tarde, mas a mudança foi feita em cima da hora, então muitos pilotos ficaram de fora.

2 – Programação

Para a segunda fase, os horários oficiais foram divulgados na segunda. Quando divulgados mais cedo, todos podem se antecipar na compra de passagens aéreas, planejar com calma, e economizar.

3 – Divisão de categorias nas fases

Na primeira fase tivemos todas as categorias de motor sorteado, Mirim, Cadete, Sudam, F4 Graduados, F4 Sênior e F4 Super Sênior. Como os karts não podem sair do Parque Fechado, ele fica muito cheio. Minha sugestão é manter Mirim, Cadete e Sudam na primeira fase e passar todas as categorias de F4 sorteado para a segunda fase, assim ficaria mais fácil. Para equilibrar o cronograma, poderia trazer a Super F4 para primeira fase!

4 – Pilotos inscritos em categorias erradas

Tivemos tanto na Sênior B, quanto na Novatos, pilotos reclamando da participação de concorrentes na disputa do título desse ano. Eu, particularmente, como chefe de equipe, me senti prejudicado na Novatos. Meu piloto, João Felipe Marques, nº 99, foi terceiro colocado na pista, na Final. À sua frente, um dos concorrentes havia sido em 2015 vice-campeão brasileiro e vice-campeão da Copa Brasil. Eu fui reclamar, e me disseram que eu deveria ter reclamado com 30 minutos antes da primeira sessão de treinos. Detalhe, o piloto não estava pré-inscrito, então como eu iria reclamar da participação de alguém que eu não sei que vai correr? Outra questão, o piloto só participou do 3º treino! Resumo, não sou eu – chefe de equipe –, ou algum pai, ou algum piloto que precisa fiscalizar. Esse papel é da CBA! É só consultar os resultados no Kart Motor!!!

5 – Pancadaria na pista

Foram muitos os incidentes, mas vimos também pancadaria geral, principalmente nas categorias F4. Muitos atendimentos com a ambulância, e até uma chegada “voadora” na Graduados. Felizmente todos os pilotos passam bem, mas penso que os comissários deveriam ser mais severos. Quando falamos em segurança, a prioridade é garanti-la.

Em resumo, um ótimo Brasileiro. Penso que o modelo de uma praça é benéfico, pois minimiza os custos de viagens, e deve ser mantido. Sabendo que em 2018 o Brasileiro será em São Paulo, temos ótimas opções para mesclar as fases, pois as pistas são bem próximas umas das outras!

Um abraço.