publicidade
25/05/2022 07:29

Kartódromo Raceland Internacional fechará suas portas e encerrará atividades no final de julho


Foto: Gilmar Rose

Inaugurado em 1999 e considerado na época como um dos dois melhores kartódromos do mundo, o Raceland Internacional fechará suas portas brevemente. A data já está marcada e ficará marcada como um dos dias mais tristes na história do kartismo brasileiro.

O Kartódromo Raceland Internacional, em Pinhais (PR), recebeu em seus mais de 20 anos de vida as principais competições do kartismo brasileiro e sul-americano. Em sua inauguração, o suíço Ernest Buser, então presidente da Comissão Internacional de Kart (CIK/FIA) e falecido em 2007, elogiou as instalações do complexo e as comparou a um único kartódromo, o de Suzuka, no Japão, considerando ambos como os melhores do mundo.

Passados 23 anos e completo até hoje, o Kartódromo Raceland passou a ser administrado a partir do início de 2020 pelas famílias Ebrahim e Kiryla. Cláudio Kiryla e os irmãos Alfredo e Wagner Ebrahim assumiram a direção do complexo e, ao longo de dois anos, deixaram o kartódromo “em pé” novamente.

“Foram dois anos malucos, de pandemia”, relembra Alfredo Ebrahim. “Não conseguimos fazer os muitos eventos que queríamos, pois tivemos que manter o kartódromo fechado muitas vezes. Trabalhamos muito internamente, reativando a estrutura de uma forma muito completa e cuidando da limpeza e da segurança dentro e fora da pista”, emendou.

Ao longo de dois anos sob a administração das duas famílias, o Kartódromo Raceland Internacional foi sede de duas edições da Copa Super Paraná e do 24ª Campeonato Sul-Brasileiro, disputado em 2021. Em sua história, além de vários Sul-Brasileiros, o Raceland recebeu outros eventos nacionais e internacionais, como o Campeonato Brasileiro, a Copa Brasil e o Campeonato Pan-Americano.

O Kartódromo Raceland Internacional encerrará suas atividades e fechará suas portas definitivamente no dia 31 de julho. E assim como o já demolido Autódromo Internacional de Curitiba (AIC), posicionado a seu lado, o Raceland dará lugar a um empreendimento imobiliário.

“Trabalhamos duro nestes dois anos e até mesmo antes, quando conseguimos, graças a um forte empenho na área jurídica e administrativa, superar as imensas dificuldades para obtermos a licença ambiental e o alvará de funcionamento”, conta Alfredo Ebrahim. “Revalidamos a homologação junto à CBA e Federação Paranaense de Automobilismo, que já havia vencido, e tentamos trazer um campeonato forte depois de fazer todos os ajustes necessários, mas não foi possível”, continua.

O grau de dificuldade para finalmente colocar o projeto em pleno funcionamento foi proporcional ao prejuízo financeiro. “A pandemia, assim como em praticamente todos os segmentos, nos atrapalhou demais em várias áreas, mas principalmente na parte financeira. Nosso campeonato foi ‘picado’, pois nem sempre conseguimos realizar as etapas nas datas marcadas por conta das determinações municipais e estaduais em saúde”, explica Ebrahim. “Mas mesmo assim vamos trabalhar forte até o último dia”, completou.

Por fim, Alfredo Ebrahim lamenta o triste momento para o kartismo brasileiro. “Será um dia de muita tristeza, pois perderemos um dos nossos mais significativos kartódromos. Nossa família frequentou durante muitos anos o Raceland como equipe e como pilotos e, nos últimos tempos, como administradores. Ficarão apenas as lembranças, para nós e para centenas de pilotos e equipes que passaram pelo Raceland ao longo destes 23 anos”, finalizou Alfredo Ebrahim.

Fonte: KG COM Assessoria de Comunicação

  • Não há comentários cadastrados até o momento!